O dia que fui batizado pelo Espírito Santo

Nosso primeiro entendimento sobre ele deve ser: O Espírito Santo é uma pessoa, ou seja, um ser dotado de “sentimentos”, inteligência e tem personalidade própria. É Deus onisciente, onipresente, onipotente, como parte integrante da trindade. Os participantes da trindade sempre concordam entre si. Não existe divisão ou desentendimento entre eles. O vento sopra onde quer, ou seja, ninguém pode mandar ou acreditar que pode controlar o Santo Espírito. Ele é soberano e incontrolável, mas ao mesmo concordante com os planos de Deus Pai.

FINAL6Quando entramos em uma igreja evangélica de tradição pentecostal, um dos conceitos mais arraigados que se tem é: ser batizado pelo Espírito Santo. Todo novo convertido é ensinado sobre a importância do batismo nas águas e o batismo do Espírito. É meta para todos que seguem a igreja receber esses batismos.E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, não pertence a Cristo. (Romanos 8:9B).Com o intuito de alcançar o batismo, dediquei-me ao jejum e à oração, frequentava todas as reuniões de orações coletivas e fervorosamente seguia a todas as orientações que eram passadas; prestava atenção a todas as ministrações, pois acreditava que em algum momento poderia acontecer. Quando se aproximava o final da reunião, preparava-me para ir à frente, perto do altar, para receber a oração, inúmeras vezes o ministro da noite falou que Deus iria batizar pessoas com o Espírito Santo, mas nada ocorria comigo.

Certo dia, decidi fazer melhor. Por ocasião de uma viagem de uma semana em outra cidade, decidi que todas as noites iria me dedicar à oração e à leitura da palavra para alcançar o tão sonhado batismo. E então, ao final de cada tarde, após o trabalho que realizaria na cidade, me trancaria no quarto de hotel e me dedicaria a buscar a Deus.

Foi uma semana tão intensa, e vivida com tanta fé que esperava fechá-la com chave de ouro: ser finalmente batizado. Dia após dia, fazia o possível para alcançar a minha meta, que era extremamente difícil, pois orar uma hora somente já era uma eternidade e ainda mais passar a semana toda me dedicando a algo que não fazia o tempo passar, era dispendioso. Mas acreditava que era capaz de realizar esse feito.

Ao chegar o fim de semana, já estava preparado para ter um grande final de semana, mas, para a minha tristeza, o que eu tanto sonhava não aconteceu. Inúmeras vezes tentei fazer algo diferente do comum, mas o resultado era sempre o mesmo, e as minhas opções foram diminuindo, pois, parecia difícil demais.
Já estava acostumado a perseverar no que eu buscava, estava decidido a alcançar. Mas, após bom tempo de tentativas, e não obtendo a resposta que desejava, o ânimo foi sendo substituído por dúvida, questionamentos como “Será que Deus quer me batizar?”, ou “Eu nasci pra isso?”. Essas questões foram tomando o meu coração. Comecei a duvidar que aquilo realmente fosse pra mim. Às vezes, nem todos seriam batizados, e eu poderia ser uma dessas pessoas e então, a empolgação foi paralisada pela sensação de que Deus não queria aquilo pra mim. Eu não seria um dos escolhidos.

Certo dia, ouvi o conteúdo do livro de ensino da igreja que frequentava, nele constava que para alguém trabalhar na obra deveria ser batizado com o Espírito Santo. Nesse tempo, eu já realizava alguns trabalhos naquela comunidade e fui surpreendido por essa informação. Cheguei então ao meu pastor e disse que entregaria o cargo, pois não serviria para essa função devido a não ter recebido o Espírito Santo.
Ele sabiamente me explicou que aquela regra não deveria ser entendida assim, pois existiam pessoas que exerciam as funções na igreja sem ter recebido tal batismo. Mas aquela história já me consumia. Via-me impotente diante de tal situação e perguntava: Como eles conseguiram? O que eles fizeram para alcançar? Qual foi o jeito? Era um questionamento que me seguia, mas ao mesmo tempo deixei de tentar ser o que eu não era. Cheguei à conclusão que não conseguiria.

Naquela mesma semana ocorreria um congresso de homens, e uma turma da igreja iria a esse evento. Decidi ir também, certo de que seria muito legal. Nunca tinha participado de nenhum encontro desse tipo. Combinamos que o grupo da igreja sairia junto, em um comboio de carros até o local do evento. Mas devido o atraso de alguns, saímos muito depois do horário combinado e acabamos chegando ao finalzinho da primeira e única ministração daquela noite. Chegamos com fome pra falar a verdade, porém a reunião já estava acabando. Sentamos nas últimas cadeiras do auditório e ficamos esperando o término do culto. Antes do final, o pastor ministrante daquela noite convidou a todos para a frente, pois naquela noite Deus iria batizar com o Espírito Santo. Pensei comigo: não orei nada essa semana. Como se não bastasse ainda havia chegado ao final da reunião, perdendo o que foi dito naquela pregação. Não achei que poderia acontecer nada pelo meu estado de espírito. Mas como notei que todos estavam indo à frente, acompanhei. Ao chegar comecei a notar que as pessoas já estavam falando em línguas e já se movimentavam dando sinal que o Espírito Santo estava lá. Eu me concentrei para orar e me preparei para me esforçar como era de costume. De repente, o ministrante da noite se aproximou de mim e disse: “Relaxa, não pensa em nada, fique somente falando glória”. Decidi acreditar nele, fechei os olhos, fiquei somente dizendo: glória! glória! glória! Fique marcando passo com a palavra dita, mantendo um ritmo tranquilo. Não fiquei nervoso e ansioso como das outras vezes. Passaram-se alguns minutos assim. Mantive a tranquilidade e o ritmo das palavras e me desapeguei de tudo. Em certo momento, o pastor volta a falar comigo: “Você não notou, mas já foi batizado!” Abri rapidamente os olhos e quando abri a boca, ela estava mexendo sozinha e dizia coisas inexplicáveis. Era uma sensação incrível. Comecei a pular de alegria e desejar que aquele momento não acabasse nunca. Depois disso, entendi que não era eu que geraria o batismo, mas o Espírito Santo, que batiza quando e como quer.

Era necessário que eu compreendesse que não geraria essa etapa em minha vida e que de nenhuma maneira iria ocorrer como eu havia planejado ou pensado. De mil maneiras pensei como seria, mesmo assim Deus escolheu de uma forma diferente. Assim como você pode estar imaginando que lhe poderá acontecer dessa forma é fato preciso dizer-lhe que será de uma maneira totalmente nova e inimaginável. Nós não geramos isso. Nós vivemos o batismo. É ele, o Espírito Santo, que desce sobre nós, e não somos nós que pegamos o cálice e fazemos por nós mesmos.

Trecho do livro “Na Tua Presença Em Teu Espirito”

1DSC_6812-20

Um comentário

  1. Aline Pessoa disse:

    Simplesmente lindo!

Deixe uma resposta