Qual o sentido da vida?

Segundo Timothy Keller podemos ter sentidos para vida criados ou descobertos.

Podemos criar algo que nos dê sentido aparentemente para viver: comprar uma casa, ter um carro, passar em um concurso ou ser rico. Tudo isso pode dar sentido para vida, mesmo que momentaneamente. O problema está no vazio que se atrai juntamente na busca por tais coisas. Os sentidos para vida criados pelo homem são geralmente individualistas, temporais e incompletos. São físicos e por isso não conseguem suprir a alma e suas necessidades.

Existem também os sentidos para vida descobertos, geralmente são os transcendentes a própria vida: a paz, o autocontrole, a harmonia, o amor pleno, entre outros. A busca pelo transcendente é historicamente mais profunda que os criados pelo homem. Mas diante de tais objetivos superiores encontramos a frustação de não conseguir mediante esforço, pois tais valores são impossíveis de alcançar devido aos nossos corpos mortais.

O apostolo Paulo diz “O bem que quero fazer não faço, mas o mal esse eu faço”. Se os sentidos para vida criados são acessíveis mediante esforço, os transcendentais não são, logo é gerado uma frustração aos que buscam sentido para sua existência.

Mas se existisse outra forma de transcender? Se o homem tivesse outro meio? Sim, existe. E o nome disso é Graça. Deus se faz homem e propõe uma mesa de comunhão que nos permite sentar com o transcendente e sermos transformados por ele. A medida que nos aproximamos Dele somos transformados. Não é mediante esforço, mas fé naquele que senta contigo na mesa. Ele pede para descansarmos nossas almas e confiar nele. Fazemos o possível e Ele o impossível. A convivência e obediência são os segredos do crescimento.

Sendo assim, o que dá sentido para nossa vida não é um valor ou estado, mas uma pessoa. Cristo dá sentido à nossa vida. Ir ao seu encontro dá sentido a qualquer vida, pois Ele permite encontrar a própria existência e sua plenitude.

“Sendo assim, o que dá sentido para nossa vida não é um valor ou estado, mas uma pessoa.”

Para isso foi proposto uma grande festa onde fomos convidados pelo anfitrião para participar. Nossa missão é participar da festança, precisamos nos arrumar e ir. Jesus contou essa verdade em forma de parábola: Um rei promove uma grande festa que estranhamente muitos rejeitam para resolverem coisas triviais no momento do evento. Muitos negam o convite para irem de encontro àquilo que dá sentido para suas vidas temporariamente. Os convidados se prenderam em suas próprias criações e deixaram de descobrir o que realmente importa.

Alguns procuram sentido para suas vidas, outros tentam tampar temporariamente os vazios em seus peitos causado pelo vazio das suas próprias vidas. Para entrar na festa precisa de convite, mas além disso, precisamos compreender o que dá sentido à vida realmente. Dá sentido à existência pode ser primeiramente fugir de uma vida sem sentido.

Que cada um de nós possa descobrir o verdadeiro sentido da vida.

Reflexão no Culto do Dia 07/11/2021 na Comunidade Casa de Paz

Moisés Nogueira de Faria